13.2.10

La flor de mi secreto (1995), Pedro Almodóvar

4 comments:

  1. Oh, que bela escolha...
    Ninguém liga muito a este filme, e se não fosse a revelação do Joaquinzinho, talvez nem falassem dele. Mas eu acho-o tão bonito (o filme...e, por acaso, o Joaquinzinho também).
    E este marido, odeio este marido e a parva da amante com a mania que é boa! No entanto, e para compensar, adoro a Marisa Paredes e a que faz de mãe dela, que é tão engraçada. E o narigão da Rossi, que belo narigão.
    Parabéns a você pela escolha e por estar nesta onda de "filmes sobre mulheres". Presumo ser esse o caso devido ao George Cukor ali em baixo.
    Sempre um gosto, passar por aqui. :)

    ReplyDelete
  2. Que alegria, ver-te por aqui.
    Também me queixei, ontem, de que ninguém liga a este filme. Agora, como ando a estudar o melodrama (ando a preparar um trabalho sobre o Fassbinder, com ecos de Sirk), ando a debruçar-me sobre este género, e sob esse ponto de vista este é um grande filme do Almodóvar. E concordo contigo: a Marisa Paredes é uma delícia autêntica. No leque das ladies do Almodóvar, está para mim empatada com a Carmen Maura. Não consigo escolher uma delas. Ou talvez escolhesse a Carmen, mas só se me apontassem com uma arma à cabeça ou assim.
    Ando mesmo numa de "filmes sobre mulheres" (há quem lhes chame "filmes para mulheres", também), e tenho-me divertido bastante. Quanto ao do Cukor, nem posso dizer que tenha gostado muito, mas ver a Joan Fontaine e a Joan Crawford (especialmente esta, claro) é sempre um prazer enorme. Joan Crawford é a diva. :P
    Vais amar o próximo post. Vai já sair.

    ReplyDelete
  3. Amei o próximo post, pois amei! Já comentei e tudo, claro, eh eh.
    Eu, lamentavelmente, não vi o Cukor, mas sei que costuma ser referido como o tal "filme sobre mulheres", ou talvez "para".
    Entre a Marisa e a Carmen, eu talvez escolhesse a Marisa. É que esta última é, como diriam os brasileiros, verdadeiramente "poderosa". A Carmen também é óptima, mas menos diva, não é? Além disso, a Marisa entra num outro filme que eu adoro, os Saltos Altos. Bem, este filme mata-me, mesmo. Aquela cena do Bosé... também já falámos sobre isso, não vale a pena estar a repetir. Mas olha, Bosé também é grande diva nesse filme, eh eh.
    Quanto à designação de filmes "para", "de" ou "sobre" mulheres, eu acho um bocado injusta, porque limitativa. A matéria dos filmes pode ser mulheres, mas o filme, se for bom, é para toda a gente. Não costumo gostar muito destas designações porque às vezes são desculpas para os homens desvalorizarem as coisas (exemplo típico, os chamados "chick flicks", que normalmente são uma porcaria; odeio que estejam associados a raparigas, como se estas fossem mais dementes que os rapazes que vêem os US Marshalls e os Black Hawk Down e sei lá mais o quê).
    Mas enfim. Saúdinha.

    ReplyDelete
  4. Hum, Carmen menos diva? Não sei. Amo ambas. Talvez a Carmen seja mais acessível, mais dada, daí ser menos diva. Penso que é aí que queres chegar, e assim sendo, estou contigo. A Marisa é um mistério total.
    Também não entendo o desprezo generalizado pelo Saltos altos. Como diz em estrangeiro: faz-me espécie. Eu achei uma delícia. Deliciosamente negro e luminoso, ao mesmo tempo, como todos os Almodóvares, no fundo.
    Eu aprecio a designação de filmes para de e sobre mulheres, porque amo-os, e não sou mulher. Daí que me sinto muito subversivo, topas? Eh, eh. Mas, bom, só aqueles que são bem feitos e inteligentes. Para os tais chick flicks não há a mínima paciência. Mas, no fundo, para o Rambo também não.
    Como em tudo, é preciso decoro e decência. O peso exacto.

    ReplyDelete

archive