8.2.10

Johnny Guitar (1954), Nicholas Ray

2 comments:

  1. E então? Ficaste como eu, gobsmacked da primeira vez que o vi? Pá, eu fazia o amor com a Joan Crawford e com a Mercedes McCambridge só por causa deste western, como lhe chamou o outro, «barroco». (E mais um que, com o Imitation of Life, também já vi umas 10 vezes.)

    Amo todas as cenas, mas aquela que me mata completamente é a sequência no bar, com a Joan de branco.

    By the way, a Mercedes tem um uncredited cameo no Touch of Evil, do Wells, que é de bradar aos céus. Se não biste, procura. E, for the record, também tenho o Touch of Evil.

    (Palavra de verificação: satan. Acho que o Blogger também tem opinião acerca do filme.)

    ReplyDelete
  2. Caríssimo. Fiquei como tu. Eu talvez fizesse amor com a Joan, mas diz que ela era uma víbora, ainda me espetava uma estaca nas costas, pelo que se calhar era melhor não.
    Também amo todo o filme, mas a cena do vestido branco é também a minha preferida, no contexto do filme. Isoladamente, acho aquela cena que coloquei no outro blogue uma delícia. Gostei muito da forma como o guarda-roupa da Joan ia mudando.
    Ainda não vi o Touch of evil, mas verei.
    Já agora, estive a ver o Far from heaven. Confesso que gostei bastante mais que da primeira vez; que adorei; que vi muito mais do que tinha antes visto.
    Agradecido pelos empréstimos, caríssimo. Volte sempre!

    ReplyDelete

archive